Connect with us

MSW’19: Regresso em grande de Wet Bed Gang

Wet Bed Gang @MEO Sudoeste - © Íris Cabaça

Festivais

MSW’19: Regresso em grande de Wet Bed Gang

Grupo de Vialonga com caos controlado no palco MEO.

Os Wet Bed Gang voltaram ao MEO Sudoeste, depois de no ano passado terem substituído, à última hora, o DJ e produtor holandês Hardwell, e assumiram sem receios a festa no palco MEO, com muita energia e doses de loucura controlada, perante milhares de festivaleiros.

Relacionado: MSW’19: Vitor Kley trouxe o sol.

GSon, Kroa, Zizzy e Zara G compõem os Wet Bed Gang. Vestidos a rigor, com roupas camufladas e coletes à prova de bala, os músicos apresentaram-se com banda ao vivo e conseguiram captar a atenção do público, na primeira enchente da noite.

O quarteto de Vialonga cresceu nas plataformas digitais, como o YouTube e o Spotify, e desde então que não pára de somar êxitos e conquistas. Passavam poucos minutos das 22 horas, quando os Wet Bed Gang iniciaram a performance com Mesa 8, servindo depois Devia Ir e Aleluia, que GSon classificou como o hino nacional do grupo.

Relacionado: MSW’19: Post Malone chegou, viu e venceu.

O concerto entrou em velocidade de cruzeiro, ao som de 23 de Maio, Bairro, que conta com mais de 13 milhões de visualizações no YouTube, quatro meses após o lançamento, e Não Tens Visto. Pelo meio, muita energia, chamas e até uma chuva de notas.

O público mostrou-se bastante recetivo à sonoridade do quarteto e provou ser conhecedor das letras. Chaminé e Maluco, resultado da colaboração com os portugueses Karetus, elevaram o compromisso da multidão, por entre moshs e momentos de loucura coletiva. Um concerto que ficará seguramente na história do MEO Sudoeste, como um dos melhores desta 23ª edição.

Relacionado: MSW’19: Nova enchente no segundo dia.


Mais em Festivais

Advertisement

Mais Lidas

Advertisement
To Top