Connect with us

NOS Alive’22: The Strokes ou um déjà vu anunciado

Foto: The Strokes @NOS Alive - © Arlindo Camacho

Festivais

NOS Alive’22: The Strokes ou um déjà vu anunciado

Concerto marcado pela performance de Julian Casablancas.

Passavam 20 minutos da hora marcada, quando começaram a soar os primeiros riffs dos The Strokes, com Is This It, do longíquo álbum com o mesmo nome, de 2001. O atraso no início parecia não indiciar algo de bom, sobretudo depois do falatório recente, após o concerto no festival de Roskilde, na Dinamarca, em que a performance de Julian Casablancas foi muito escrutinada.

Relacionado: NOS Alive’22: Sunset Jungle em Algés.

Ainda na fase inicial do concerto, o carismático e excêntrico vocalista do grupo deixou cair o microfone – mais um ponto negativo e ainda só estavamos no início. “Estou novamente alcoolizado”, disse. The Adults Are Talking, do mais recente The New Abnormal (2020), lançado durante o primeiro confinamento, a New York City Cops (Is This It, 2001) ou até Automatic Stop (Room on Fire, 2003) são quase 20 anos de distância, percorridos em poucos minutos, antes de voltarmos ao passado recente com Bad Decisions.

Relacionado: NOS Alive’22: Balthazar e a febre de quarta à tarde.

Quanto a Hard to Explain, é realmente difícil explicar o que aconteceu. Como será possível um grupo idolatrado no início do milénio ver-se transformado num grupo sem alma?! Julian Casablanca voltou a fazer das suas e trocou os versos da letra. O ponto positivo aqui, como em todo o espetáculo, foi, de facto, a capacidade e o talento de Nick Valensi, Albert Hammond Jr., Fabrizio Moretti e Nikolai Fraiture.

A meio da atuação, pausa para interprear Sofia, de Clairo, cujo concerto foi cancelado durante a tarde, em versão mashup com As It Was, de Harry Styles, em jeito de homenagem à cantora norte-americana. “Estivemos a ensaiar isto no backstage“, anunciou Casablancas.

Relacionado: NOS Alive’22: LEFTY mantêm o rock vivo.

Por entre devaneios e falas imperceptíveis do vocalista, a banda conseguiu segurar o concerto e levar o rock a bom porto com Under Cover of Darkness, Threat of Joy, Reptilia e Someday, que também ecoaram no Passeio de Marítimo de Algés, ainda antes do início do fim, ao som de What Ever Happened?.

Estaria reservado um encore especial para o êxito Last Nite? — questionaram-se, porventura, os mais atentos. A resposta foi não. You Only Live Once, Selfless e Juicebox assumiram esse papel e o espetáculo ficou por aí.

Relacionado: NOS Alive’22: Já começou!.

Se para os fãs dos The Strokes este foi o concerto do dia, apesar de todos os contratempos, os curiosos que ambicionavam ver a banda ou até os transeuntes que à mesma hora circulavam pelo palco NOS não guardarão boa memória deste momento.

Setlist:
Is This It (Tour debut)
The Adults Are Talking
New York City Cops
Automatic Stop
Bad Decisions
Hard to Explain (Julian changed Verse1 to Verse2)
Sofia (Clairo cover) (Snippet of Harry Styles “As It Was” / “Everybody’s been playing the same song for 20 years” – Julian)
I Can’t Win (Tour debut)
Under Cover of Darkness
Threat of Joy
Reptilia
Someday
What Ever Happened?
Encore:
You Only Live Once
Selfless
Juicebox

Continue Reading

Mais em Festivais

Advertisement

Mais Lidas

Advertisement
To Top