Connect with us

NPS’22: Holy Nothing foram bons anfitriões

Foto: Facebook @holynothingmusic - © João Octávio Peixoto

Festivais

NPS’22: Holy Nothing foram bons anfitriões

Grupo do Porto em bom plano, no arranque do segundo dia.

Os Holy Nothing, formados na cidade do Porto, em 2013, por Pedro Rodrigues, Nélson Silva e Samuel Gonçalves, jogaram em casa, no arranque deste segundo dia de NOS Primavera Sound. A abrir as hostilidades no palco Cupra, foram duplamente anfitriões ao receber o público no palco e na sua terra natal, em simultâneo, e assumiram bem e de forma bastante assertiva esse papel.

Relacionado: NPS’22: Memorável, Tame Impala.

Já bem conhecidos do público festivaleiro português, os Holy Nothing, que se movimentam pelos infinitos caminhos da cena eletrónica, aproveitaram a oportunidade para deixar um bom cartão de visita ao público estrangeiro, que se mostrou impressionado com as sonoridades irreverentes, inquietantes e desconcertantes do grupo, em temas como Ruído, Rely On e Mind.

Relacionado: NPS’22: Agitação descontrolada em Mura Masa.

Pela proximidade com a zona de entrada no festival e pelo facto de ser o único palco com lugares sentados, o concerto, dedicado ao manager Bruno Rocha, que não pôde estar presente, atraiu e convenceu, seguramente, o público que optou assistir a este espetáculo. A área envolvente acabou, entretanto, por ser convertida numa autêntica pista de dança, às 17 horas e sob um calor abrasador.

Nota: Fotos do concerto ainda não disponibilizadas pela organização.


Mais em Festivais

Advertisement

Mais Lidas

Advertisement
To Top