Connect with us

The Script no Campo Pequeno: Como da primeira vez

Notícias

The Script no Campo Pequeno: Como da primeira vez

Faz este mês dois anos que os The Script terminavam uma digressão em Lisboa. Dois anos e alguns sucessos depois, a história repetiu-se e a banda subiu ao palco de um Campo Pequeno esgotado. Em entrevista ao MYWAY antes do concerto, a banda dizia que é como se fosse já parte do destino terminar digressões no nosso país. Depois de duas horas de concerto com público e banda rendidos uns aos outros, brindes com Super Bock e um telefonema para um ex-namorado de uma fã, não é preciso ser vidente para adivinhar que o regresso se fará em breve.

Antes de começar o concerto dos The Script, a primeira parte esteve a cargo dos seus conterrâneos irlandeses, os Original Rudeboys. A banda foi recebida com muito entusiasmo por uma multidão euforia. Com um som que podemos definir como uma mistura entre os próprios The Script e os Linkin Park, a banda foi fazendo desfilar canções «feel-good», como «Blue Eyes», que assegura a beleza a alguém que nem sempre está certa dela, ou «Bringing Me Down», sobre o «racismo, o bullying e essas coisas más que nem sempre são faladas». Durante a meia-hora de actuação, os Original Rudeboys trouxeram soft-rock com hip-hop e um toquezinho de folk que o som do cavaquinho inevitavelmente traz. Essa confluência de sons esteve particularmente presente em temas como «Written Songs (Feeling Good)», mash-up com o tema de Snoop Dogg e Wiz Khalifa, «Feeling Good». No final, pede-se o brinde com cerveja nacional aos The Script e que o público levante telemóveis ou outras luzes para «Stars In My Eyes». O efeito é bonito e a banda sai feliz.

No intervalo entre a primeira parte e o concerto dos The Script, o entusiasmo da multidão é evidente com a reacção à mais pequena movimentação em palco. A loucura instalou-se quando se baixaram as luzes e a entrada da banda com «Good Ol’ Days» fez-se em apoteose. O vocalista Danny O’Donoghue desce ao público e a reacção propaga-se até às bancadas.

A multidão continuou ensurdecedora por «We Cry», com o vocalista a passar o microfone ao público, que respondeu cantando mais emocionado do que afinado, ou «Break Even», cantada de cor a partir da primeira frase. Depois de «Science And Faith» puxarem à emoção, a banda diz que esta noite é a última e bem capaz de ser a melhor de todas. A frase «Vocês não querem saber disto, mas nós tocámos em Madrid ontem à noite e vocês arrasaram em relação a eles» provocou a reacção de absoluta loucura que se espera quando é feita uma comparação elogiosa em relação ao país vizinho.

Foi assim durante todo o concerto, elogios a um público dedicado e conhecedor de todas as canções, dos The Script. Temas que tocam a todos, rock redondinho, condimentado com pedaços de rap e refrãos a pedir braços no ar e vozes ao alto são algumas das explicações para o sucesso da banda. «If You Could See Me Now», tema do novo álbum composto por Danny O’Donoghue a pensar nos pais falecidos, enquanto «Nothing» fala sobre o momento em que alguém bebe demais e liga para o ex-namorado. A canção leva a um dos melhores momentos da noite, quando a banda pede a alguém na primeira fila que ligue para o ex-namorado. Depois de uma pequena confusão gerada pelo facto de O’Donoghue não entender o português dos telemóveis, alguém terá atendido do outro lado, enquanto o vocalista disse: «tenho aqui umas pessoas para te dizer olá», antes de lhe dedicar a música.

Ao longo do concerto, a banda coloca-se à vontade, faz questão de provar que «é cá da malta» e o vocalista bebe uma cerveja de penalty, antes de lançar um arroto para o microfone. De sorriso em sorriso, o guitarrista Mark Sheehan jura que somos o público «mais bonito de sempre, será do sol?». A resposta não é certa, mas o Campo Pequeno acredita que o elogio é sincero.

«The Man Who Can’t Be Moved» é provavelmente o maior sucesso dos The Script e trouxe um dos melhores momentos do concerto. O’Donoghue apresenta-a como «a música que nos mudou as vidas, que nos deu tecto e roupa» e pede para que o acompanhem a cantar, antes de arrancar com o tema a capella. O vocalista foi logo seguido por toda a plateia, que não falhou ritmos nem letra e cantou, emocionada, até ao final do tema. Um coro assim parece impressionar a banda mais experiente e o guitarrista confessa que será difícil ultrapassar aquele momento durante o concerto.

O hino à fortaleza das amizades que é «For The First Time» fecha o concerto e deixa o público a cantar os seus «uhuhs» até ao regresso para encore, que se fez…pelo meio da plateia. Sem que ninguém o antecipasse, O’Donoghue surge atrás da mesa de som e desce pelo meio do público, gerando um pequeno motim, até regressar ao palco. «Hall Of Fame», colaboração da banda com Will.i.Am que lhes garantiu recentemente o primeiro lugar nas tabelas de vendas do Reino Unido e que fez voltar a disparar o sucesso da banda, fecha o concerto com a apoteose com que este começou.

A carreira dos The Script nunca explodiu. Cresce equilibrada, de sucesso em sucesso e ao longo do concerto apercebemo-nos da quantidade de temas da banda que nos são familiares, como uma banda que está sempre por perto. Estão de pé no «Hall of Fame», pois.


Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais em Notícias

Advertisement

Mais Lidas

Advertisement
To Top